Este site guarda uma boa parte do acervo de imagens que venho produzindo desde 1985. Minha produção vem transitando ao longo destes anos por distintas vertentes, porém sem ainda ter encontrado uma unidade. Talvez intuindo isto, a partir dos anos 2000 migrei fortemente para as representações da Natureza, pois era algo que sempre me moveu. Me vi então numa busca pelo que restou das paisagens originais, motivado pelas preocupações com a crise ambiental. Isto me levou por um caminho inesperado. Gradualmente descobri o encantamento de uma tardia descoberta, de que não é o tema que determina uma obra, mas sim, o processo de criação da mesma. Só aí pude sentir de fato este diálogo mágico que se dá entre a pintura e o pintor. E vi que quando este diálogo acontece, a expectativa inicial é o que menos conta, pois a pintura é um mundo cheio de meandros e caminhos sinuosos, imprevisíveis. Entendi então que até ali, não havia ainda conseguido vivenciar a alegria que agora sentia de tomar decisões provocadas pelas cores. E eis que chego aqui, envolvido com a natureza animal, um tema que se mostrou cada vez mais insinuante. À medida que me debruçava sobre este tema, constatava que em todas as dimensões de nossa existência, lá está a presença do animal. De forma voluntária, e geralmente de forma involuntária, o animal nos acompanha. Às vezes no ambiente externo, às vezes em nosso íntimo. E embarquei num fluxo ininterrupto de imagens, ora mais realistas, ora quase abstratas. O resultado deste fluxo de trabalho é a exposição que vocês poderão visualizar aqui neste site, na sequência abaixo. Cada grupo de imagens está agrupado em um post específico, sempre acompanhado de um verbete explicativo daquilo que as motivou. Sejam muito bem-vindas e bem-vindos a esta arriscada jornada estética entre o encantamento e o espanto.

Últimas Notícias

ÁGUA, TERRA, AR 26/01 - ÁGUA, TERRA, AR

Nossos companheiros de planeta nadam, correm, voam, em incontáveis habilidades e estratégias de vida. Pena que só agora tenhamos desenvolvido a capacidade de apreciar estas inteligências da natureza…

Veja mais
MADEIRA, PEDRA, TINTA 16/01 - MADEIRA, PEDRA, TINTA

Os seres nos habitam. Quer seja literalmente, quer seja simbolicamente. Nos habitam microscopicamente, pois somos um ecossistema, por assim dizer. Nos habitam simbolicamente, pois somos consciências se formando dia após dia, entes tramando os laços da vida através da expressão.

Veja mais
IRMÃOS da ÁGUA I 15/01 - IRMÃOS da ÁGUA I

Por quanto tempo os subestimamos? Por quanto tempo os tomamos por seres estranhos, inferiores? Por quanto tempo assim, ignorantes, permanecemos?

Veja mais
OS MEDOS I 13/01 - OS MEDOS I

Medo todos temos. O medo importa, pois medo é unidade de medida. Aqui estão algumas obras que olham para nossos medos. Aqueles que diante do que é desconhecido, movem-se cautelosamente e observam. E aqueles que perdem sua justa medida e transbordam, transformando-se em apagamento ou em seu contrário, que é a raiva. E depois, em sua consequência mais nefasta: o ódio.

Veja mais
QUASE SERES II 12/01 - QUASE SERES II

Que forma teriam os seres que nunca se consumaram? Animais ou coisas sem nome, que forma teriam? Pensar uma forma que se mescla e se molda a outras, e juntas formam um ambiente, é instigante. Esta série fala disso, desses frutos da imaginação e da casualidade, que assomam no papel quando o artista se mostra um pouco mais disponível.

Veja mais
#PORTONÃO II 11/01 - #PORTONÃO II

O Mar Grosso é irascível. Não se doma algo assim. Quando menos se espera, ele se move fora da curva. Falo por imagens. Causadas por uma boa dose de acasos, as imagens sinalizam o quanto as obras gigantescas dos homens não devem mais desfigurar a superfície viva do planeta. As quatro imagens desse post refletem a respeito dos limites que deveríamos ter respeitado, mas que continuamos a desrespeitar.

Veja mais
#PORTONÃO I 10/01 - #PORTONÃO I

Em pleno século XXI, quando o planeta já cansado, emitiu todos os sinais possíveis de que já não há espaço para aventuras desnecessárias, eis que surgem pessoas dispostas a ganhar rios de dinheiro. Essas pessoas decidem então, que para seu nobre propósito, é necessário construir um imenso porto de cargas no litoral norte do Rio Grande do Sul. Não precisa dizer mais. Precisa sim lutar com o que se tem. O que tenho, são imagens.

Veja mais
QUASE SERES I 05/01 - QUASE SERES I

No chão de minha sala, mo papel ou nas paredes, há bichos. Existem quando lhes damos atenção. Movem-se de acordo com nossa imaginação. Mudam conforme mudamos. Ou o contrário, não sei.

Veja mais